Italian Association Amici di Raoul Follereau (AIFO) – AIFO Mozambique

Vacancy

Issued on: 22 September 2021 Deadline for Application: 30 September 2021

Position Title: Consultant – Capacity Building on Disability Inclusive Social Protection

AIFO Mozambique, in partnership with UNICEF, within the framework of the project “Inclusive and accessible humanitarian action in the context of armed conflict and Covid-19”, aims to hire a consultant to build the capacity of relevant government actors at central and provincial level, on inclusive social protection.

1. Background and Context

The estimate of people with disabilities in Mozambique from the 2017 census is 2.46%, a low rate compared to the WHO and UNICEF global estimates (15% of adults and 10% of children). According to a study on "Living Conditions among People with Disabilities in Mozambique: a National Representative Study" (2009) by SINTEF, the FAMOD (Forum of Mozambican Associations of People with Disabilities) and the National Statistics Institute (INE), 6% of the population in Mozambique lives with a disability. Among respondents with disabilities, 82% reported not having access to necessary specialized services and 62% for assistive devices, respectively. According to the Ministry of Education and Human Development (MINEDH), 64% of children with disabilities do not attend school.

Disability is a crosscutting issue and the provision of services and inclusion of children with disabilities requires coordination between education, health and social services. However, there are no clearly established mechanisms for collaboration and coordination among these services, either at the central level or at the provincial and district levels. Clarity of roles and responsibilities and a common coordination framework would allow for more effective planning and service delivery.

The 2019 Joint Statement “Towards inclusive social protection systems supporting the full and effective participation of persons with disabilities1” stipulates that “in order to address the risks, inequalities and barriers faced by persons with disabilities, a comprehensive and inclusive social protection system should ensure that persons with disabilities have access to programmes that adequately:

  •   Provide income security that enables access to necessary goods and services;

  •   Ensure coverage of disability-related costs and facilitate access to the required support, including services and assistive devices

  •   Ensure effective access to health care, including disability-related medical care and rehabilitation

  •   Improve access to services across the life cycle, such as childcare, education, vocational training, support with employment and livelihood generation, including return to work programmes.

    Mozambique's National Strategy for Basic Social Security (ENSSB II) includes people with disabilities as beneficiaries of one of the sub-components of social assistance, namely the Basic Social Subsidy Program (PSSB). The current definition of the group mainly targets the most severe types of disability - "people without the capacity to work,” and is therefore a basic income security for families living with people with severe disabilities to cover expenses like food, and not a measure to cover disability-related costs.

The coverage of assistive devices is part of the Direct Social Support Program (PASD). While the programme is supposed to cover different types of devices, in practice only mobility devices are provided. As for support services, such as transportation, it is not explicitly stated in the PASD but could potentially be included under "Support in bus fare". However, there is currently no clarity in PASD on how this type of support could be operationalized.

The coverage of disability-related services partially falls in the domain of the other ENSSB II program, namely the Social Action Services Program (ProSAS) which aims to prevent and respond to risks and violations of social rights of various vulnerable groups, including persons with disabilities (Article 12 of Decree 47-2018 of August 6), and includes access to community-based rehabilitation services. However, PROSAS is not yet operationalized, the operational manual is expected to be produced in the second half of 2021.

Capacity of social services, as well as health and education, is one of the bottlenecks of disability inclusion. Common understanding of disability core concepts and disability inclusive social protection will help advance disability rights agenda and coordination of services across sector.

2. Objectives, Purpose and Expected Results of the Consultancy

Objective 1: Develop Training materials and manual on disability inclusive social protection

Objective 2: Build the capacity of MGCAS, MISAU and MINEDH at central and provincial level on disability inclusion.

3. Deliverables

  1. A 3-day training package (presentation, support materials and manual) for representatives of MGCAS, MISAU and MINEDH, at central and provincial level, focusing in key concepts of disability inclusion and disability-inclusive social protection

  2. Training delivery to for representatives of MGCAS, MISAU and MINEDH, at central and provincial level, focusing in key concepts of disability inclusion from intersectoral perspective – to be delivered in Maputo, Nampula and Sofala covering all provinces, estimated in total 7 groups (i.e. 21 working days of training), the final estimate will be determined by MGCAS.

4. Location and Duration

Maputo, Nampula, Sofala
Duration: 2 months, October 25-December 24 2021

5. Qualification Requirements

Academic qualifications: Advanced degree in social protection, disability studies, or related areas

Experience

  • ●  At least 5-years experience in disability inclusive policies

  • ●  At least 5 years of experience in the fields of social protection, health (rehabilitation) and education

  • ●  At least 5 years of experience of working with governments, preferably in Mozambique or countries

page2image10085184 page2image10087680 page2image10087104 page2image10087872

with similar profile

 

Specific knowledge, competencies and skills required

page3image10060352

● Technical expertise on disability, inclusive social protection, health (rehabilitation) and education
● Technical expertise in intersectoral collaboration and integrated programming
● Strong familiarity with the social protection system of Mozambique, familiarity with education and

health system
● Proven experience in training and capacity building
● Excellent oral and written communication skills (in English and Portuguese)

HOW TO APPLY

Interested candidates are invited to send their CV, a cover letter detailing how you meet the job specifications and three references to This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.indicating in the subject of the email: AIFO Consultancy Inclusive Social Protection.

We apologise in advance, but only qualified and shortlisted candidates will be contacted.

The selection respects the principles of equal opportunities. Qualified women and men with disabilities are strongly encouraged to apply.

This consultancy depends on funds confirmation.

Vaga AIFO

logo aifo con payoff

 

 

AIFO – Contabilista/Administrador de Projecto

 

 

A ONG AIFO está a recrutar um Contabilista/Administrativo de Projecto, com experiência em gestão financeira de projecto. 

Posição: Contabilista/Administrativo de Projecto

Local de Trabalho: Chimoio, Moçambique.

Área geográfica de intervenção: Província de Manica

Disponibilidade: imediata

Salário: De acordo com tabela salarial da organização. 

Duração do Contracto: Um ano (com três meses de período provatório). 

Projecto: ILEP

Doador: REGIAO EMILIA ROMAGNA

 

No âmbito do projecto acima citado, a AIFO pretende recrutar um contabilista/administrador de projecto.

 

As principais funções e responsabilidades serão:

·      Manter a correcta gestão de todos os fundos, com base nos respectivos orçamentos de projectos e mecanismos de controle.

·      Classificação e lançamento de documentos contabilísticos (caixa e bancos)

·      Preparar e enviar de forma regular por via de correio electrónico para a Sede de Maputo, respeitando os prazos indicados, a prestação de contas mensais, para permitir o controle e a aprovação;

·      Apresentar relatórios financeiros e contabilísticos de acordo com as directrizes e prazos estabelecidos

·      Assegurar o apoio a Gestão Financeira na justificação dos fundos conforme a normativa da AIFO e dos financiadores

·      Manter em ordem sequencial todos os registros das justificações das despesas de acordo com as modalidades delineadas mensalmente pela AIFO – Sede de Maputo e com base nas indicações fornecidas pela informação financeira do doador;

·      Liderar os processos de adquisições locais na base das regras de procurement e administrativa da AIFO e do Doador, garantindo a correcta execução dos procedimentos de compra e verificar o controle do inventário, de acordo com procedimentos administrativos internos estabelecidos por a organização

·      Gestão e controlo das actividades de tesouraria, proceder as reconciliações bancarias e gerir os níveis de liquidez baseados nas directrizes do Departamento Financeiro na Sede, assegurando a disponibilização de recursos financeiros suficientes para a execução das actividade do projecto;

·      Garantir, junto ao Coordenador do Projecto, a boa conservação do equipamento do escritório e em dotação ao pessoal do projecto 

·      Zelar pela observância das obrigações fiscais e demais procedimentos laborais, tais como Plano de Férias, Relação Nominal, INSS, IRPS, Declarações Anuais de Rendimento, etc.

·      Apoio na gestão dos recursos humanos do Projecto e da AIFO em Cabo Delgado: pagamento de salários, e seguimento dos processos individuais dos funcionários garantindo a normativa local aplicável e o cumprimento legal institucional 

·      Garantir o cumprimento dos requisitos no âmbito legal, fiscal, contabilista e tributário, respeitando os procedimentos internos e normas locais em vigor

·      Acompanhar nos processos de auditorias externas/internas, contábeis, de gestão e de execução dos projectos

·      Desenvolver qualquer outra tarefa solicitada pelo Coordenador de Projecto, em acordo com a Direção Nacional, no âmbito de administração, procurement e logística

 

Requisitos

·       Formação Académica em Economia/Contabilidade/Finanças ou Administração de Empresas

·       Mínimo 03 anos de experiência em gestão contabilística e financeira, idealmente dentro de uma Organização Não Governamental (ONG)

·       Alto domínio da informática (Excel, PowerPoint, Word, etc.)

·       Experiência no uso de software de contabilidade informatizada 

·       Excelente capacidade de comunicação em Português (falado e escrito). Capacidade de comunicação em ligua local (Matewe/Sena) e inglês são considerados títulos preferenciais.

·       Experiência demostrada em posições similares. 

·       Sólidos conhecimentos e a aplicação da legislação laboral e fiscal em vigor

·       Ter a residência ou domicílio em Manica será considerado favoravelmente

 

Os interessados podem enviar as suas candidaturas ao endereço mail: vagacontabilista@aifomoz.org até dia 27 de Setembro de 2021.

 

 

A AIFO (Associacão Italiana Amici di Raoul Follereau), participou da 56ª Edição da FACIM onde promoveu as Doenças Não Transmissíveis (Diabetes, Hipertensão e Cancro), bem como os direitos das pessoas com deficiência e a sua respectiva inclusão social e económica. 

A participação nesta Feira Internacional Moçambicana consistiu em:

  1. Sensibilização das pessoas em relação as doenças não transmissíveis e bons hábitos de vida;
  2. Uso do álbum seriado por parte dos activistas para a realização desta sensibilização
  3. Medição da tensão.

Fotos

A Directora Nacional da AIFO, a direita, visitando o Pavilhão da AIFO
A Directora Nacional da AIFO, Elisa Morrone, no centro, visitando o Stand da AIFO

Os activistas que fizeram a sensibilização
Os activistas que fizeram a sensibilização
O álbum seriado usado na sensibilização das pessoasO álbum seriado usado na sensibilização das pessoas nas mãos do Oficial de Comunicação da AIFO
Visitantes sendo sensibilizadosVisitantes sendo sensibilizados e uma pessoa medindo a tensão
A Directora Nacional da AIFO falando a ImprensaA Directora Nacional da AIFO, Elisa Morrone, falando com a Imprensa

Moçambique está no processo de construção da sua infra-estrutura digital com reformas em curso que tem melhorado de forma geral o acesso à Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) em todo o país. A lei de Telecomunicações de 2016 trouxe melhores serviços e preços mais acessíveis, aumentando a cobertura e promovendo a inclusão digital. Além disso, o Governo de Moçambique tem investido em melhorar a acessibilidade para grupos vulneráveis e comunidades marginalizadas através de iniciativas como o Fundo de Acesso Universal (Serviço Universal é um conceito promovido pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) para garantir que os serviços de telecomunicações sejam acessíveis ao maior número de pessoas e comunidades, a um preço comportável).

Apesar das reformas em curso a nível de regulamentação e licenciamento, Moçambique continua a registar entre as mais baixas taxas de acesso às TICs no mundo: de acordo com o Censo Geral da Habitação e da População de 2017, cerca de 26,4%, dos Moçambicanos possuem um telefone celular e 6,6% tem acesso a Internet, com enormes diferenças entre homens e mulheres e entre população urbana e rural. Entre as comunidades mais marginalizadas no acesso às TIC estão as  pessoas com deficiência que, de acordo com o último Censo, constituem 2,6% da população.

As TICs podem contribuir sensivelmente na superação das limitações funcionais existentes na vida cotidiana das pessoas com deficiência, permitindo o acesso à informação, emprego e lazer e aos serviços públicos num pé de igualdade com os outros cidadãos. No Direito Internacional, o acesso às TICs é considerado uma condição prévia para o gozo de todos os outros direitos substantivos. O direito de acesso às TICs está enquadrado na perspectiva da deficiência na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (UNCRPD), instrumento que Moçambique ratificou em 2012.

A UNCRPD apela especificamente aos Estados Partes "para promover o desenvolvimento, a produção e distribuição de tecnologias e sistemas acessíveis de informação e comunicação numa fase inicial". Como conceito emergente com relação às áreas de tecnologia e políticas públicas, a Programação Universal (Universal Design), a Programação Universal é definida pela UNCRPD como o processo [e o resultado] de “… desenho de produtos, ambientes, programas e serviços a serem utilizados por todas as pessoas, na maior medida possível, sem a necessidade de adaptação ou design especializado, assume que as TICs se tornam acessíveis se a usabilidade, a acessibilidade e a flexibilidade necessária para eventual acomodação forem abordadas na fase de desenho de bens e serviços, em vez que ajustadas posteriormente. Ao mesmo tempo a Programação Universal não exclui dispositivos de assistência para grupos específicos de pessoas com deficiência, tendo em consideração fatores contextuais e ambientais locais.

O quadro legal e de política publica protege e promove os direitos das pessoas com deficiência em Moçambique. No entanto, o país enfrenta barreiras na implementação das políticas de inclusão que limitam o acesso à informação e à prestação de serviços em setores como saúde, educação e emprego. Com algumas exceções, medidas ainda precisam ser introduzidas para permitir o acesso efetivo às TICs para as pessoas com deficiência, persistindo desafios tanto no uso de softwares de acessibilidade já disponíveis, geralmente pouco conhecidos, assim como na acomodação de soluções de TICs ao contexto e condições locais, a fim de responder aos desafios locais.

A Conferência Inaugural sobre Programação Universal e Tecnologias Assistivas explorou esses conceitos a partir de boas práticas internacionais relevantes para o contexto local. O evento realizou-se no dia 12 de novembro de 2019 em Maputo na presença de decisores públicos, reguladores, especialistas sectoriais, académicos, organizações da sociedade civil, desenvolvedores de TICs, empreendedores e parceiros de desenvolvimento.

A Dra. Francesca Briuschi, representante da AICS, fez a abertura da conferência e deu às boas vindas aos participantes.

O Professor Anthony Giannoumis falou sobre Desenho Universal e como o desenho universal beneficia não só a um grupo específico da população, como pessoas com deficiências, mas a todos, pois a deficiência, segundo ele, deve ser vista como parte da condição humana.

Professor Anthony Giannoumis, oriundo dos EUA, especialista em Desenho Universal

Dan Gilbert falou de design thinking e fez exercícios com os presentes para explorar a criatividade das pessoas.

Cathrine Bui falou da importância da integração da mulher no mercado de trabalho e como a igualdade de genéro pode ter um efeito positivo na economia, tendo apresentado o caso da Noruega, onde a participação das mulheres na força laboral trouxe um maior input a economia.

Evert-Jan Hoogerwerf, copresidente da Aliança Internacional das Organizações de Tecnologias Assistivas , falou de tecnologias assistivas.

Evert-Jan Hoogerwerf

O Dr. Chambeze, Director do IFPELAC, falou dos esforços do IFPELAC para a formação inclusiva, tendo falado do Projecto PIN e de como o IFPELAC tem estado a colocar a acessibilidade em primeiro lugar, em tudo o que faz. 

Dr. Chambeze